Página inicial Matérias Eventos Eventos Classificados Fale conosco


todos contra DENGUE

Contra a dengue

Condomínios paulistanos estão em guerra contra o Aedes aegypti
Orientação é a mesma em todos eles: evitar que água limpa fique parada. Aedes Aegypti pode transmitir dengue, zika e chikungunya.

Muita gente acha que o mosquito da dengue não aparece nos apartamentos, nos andares mais altos, mas não é bem assim. Em São Paulo, condomínios entraram na guerra contra o Aedes aegypti. A orientação é a mesma: não pode ter água parada em lugar nenhum.

É só entrar no elevador e o alerta está lá. Todo cuidado é pouco. O danado do Aedes aegypti adora casas, mas adora também apartamentos, varandas, condomínios. Água limpa parada é o berço ideal para a família do mosquito aumentar.

Rosana Nichio é síndica de um prédio. Junto com o zelador Marinaldo, ela faz vistorias diárias nas áreas públicas do condomínio. No jardim... “Ele verifica diariamente se tem algum recipiente, alguma tampinha de garrafa que possa estar propiciando o acúmulo de água”, diz a síndica.

Com um tambor, eles armazenam água da chuva para lavar a área externa do prédio. Por precaução, essa água também é tratada com cloro. “É uma cavidade aqui que nós preenchemos com massa para evitar o acúmulo de água”, conta Rosana.

No ralo, quase ninguém pensa, mas Marinaldo não deixa por menos: bota cloro lá dentro porque no fundo pode juntar água.

Quando não estão sendo usados, os brinquedos da área de lazer ficam sempre inclinados ou guardados. Nada de pratinho. Vaso de planta fica em cima da terra ou de pedrinhas.

Como estamos todos em guerra contra o Aedes Aegypti, não basta olhar só para o próprio condomínio. Tem que dar uma conversada na vizinhança, ver se todo mundo está tomando os devidos cuidados. Por exemplo, uma praça fica muito próxima do condomínio da Rosana. Ela passou lá outro dia e viu uma sujeirada. Isso tudo, claro, favorece o acúmulo de água e aí o mosquito procria. Está chovendo todo dia em São Paulo e vai juntar mais água.

O esforço da empresária Angélica Braga é conscientizar moradores de dois mil condomínios administrados pela empresa onde ela trabalha. Em um, funcionou. Adriana alertou que tinha mosquito demais na portaria. Era uma calha entupida, que agora vai ser coberta com areia. Dentro de casa, agora ela está esperta.

Jornal Nacional: Aqui na sua varanda, Adriana, que tipo de cuidado você toma para não deixar acumular água?

Adriana: Sempre quando chove, secar, né? Não deixar água parada nos vasinhos.

Todos em alerta para exterminar os focos do Aedes Aegypti, que transmite dengue, zika e chikungunya

A arma da gerente de administradora de condomínios Angélica Arbex é a informação.

“As pessoas têm preocupação, mas essa preocupação só aparece se você intensifica a comunicação. Se é um assunto que não se trata, a preocupação some. Por isso, é tão importante falar sobre o assunto”, avalia.

E todo mundo tem que fazer a sua parte. A prefeitura de São Paulo informou que fez a limpeza da praça em frente ao condomínio visitado pela nossa reportagem.

Fonte: http://g1.globo.com

 

 
Página inicial